Home Liturgia Geral Temas de Liturgia – II
Temas de Liturgia – II PDF Imprimir E-mail
Geral
Dom, 28 de Dezembro de 2008 15:51

Côn. Henrique Soares da Costa

Já vimos a definição de Liturgia dada pelo Concílio Vaticano II: “A liturgia é o exercício do múnus (= da tarefa, do serviço) sacerdotal de Jesus Cristo, no qual, mediante sinais sensíveis, é significada e, de modo peculiar a cada sinal, realizada a santificação do homem; e é exercido o culto público integral pelo Corpo Místico de Cristo, Cabeça e membros” (SC 7). No artigo passado expliquei um pouco essa definição: na liturgia o Cristo total (a Cabeça, que é Cristo no céu, e o seu Corpo, que é a Igreja na terra) apresenta ao Pai no Espírito Santo o culto de louvor, adoração, súplica e ação de graças pelo mundo inteiro. Esse culto litúrgico é público, é o culto de todo o povo de Deus. Nenhum batizado, estando na plena comunhão católica, pode ficar fora da celebração litúrgica. Por isso mesmo, é necessário muito cuidado com as missas de grupos: missa dos jovens, das crianças, dos neo-catecumenais, missa desse ou daquele movimento... Não! A missa é sempre de todos, é sempre da comunidade, é sempre de toda a Igreja. Pode ser uma missa animada pelos jovens, uma missa que envolva mais as crianças, uma missa cujas tarefas sejam realizadas por este ou aquele grupo, mas nunca é missa “do” grupo. Ela é sempre de todos os batizados que desejarem dela participar, missa do povo de Deus. O mesmo seja dito dos demais sacramentos: devem-se dar prioridade e preferência às celebrações comunitárias. Por exemplo: o ideal é que as celebrações do Batismo sejam comunitárias; do mesmo modo, enquanto possível, também as missas pelos fiéis defuntos. Somente em casos especiais, justifica-se uma missa em horário especial por aquele fiel defunto em particular. Essa idéia de celebração privada dos sacramentos deve ser superada, pois agride a própria noção de liturgia. Aí, o particular, o privado, será sempre uma exceção, nunca a regra!

Exatamente por ser de todos, ser da Igreja toda e de todos os tempos, a liturgia não pode ser manipulada. Ainda que se tratasse de um grupo de cinco pessoas celebrando, tal celebração é da Igreja toda e envolve a Igreja toda, de modo que deve ser celebrada segundo as normas da Igreja. É muito importante compreender isso - e muitas vezes vou repetir: ninguém tem o direito de manipular a liturgia. E isso vale para o Papa, para os Bispos, para os padres, diáconos, religiosos e leigos! Além do mais, a liturgia não é propriedade particular, não é produto nosso; ela é da Igreja, que a recebe como um dom de Deus em Jesus Cristo e nos é dada para que a celebremos. Ora, se fôssemos nós que a fabricássemos, se pudéssemos manipulá-la a bel prazer, então somente celebraríamos a nós mesmos! Pensemos bem: celebrar as ações litúrgicas é entrar no Santo dos Santos, é entrar no Mistério de Deus, ali, onde ele nos dá sua própria vida, sua própria santidade: a vida que brota do seio do Pai e nos é dada pelo Filho feito homem na potência do Santo Espírito. E tudo isso se faz palpável nos ritos, nos elementos, nos gestos, nas palavras, nos objetos, nas pessoas, no ambiente que compõem a celebração. Por esse motivo é que a Igreja tem tanto cuidado em normatizar e determinar claramente tudo quanto diz respeito à sua liturgia. Ali Deus se manifesta! A liturgia não é uma coisa nossa, a disponível à nossa manipulação, à nossa criatividade! Uma liturgia fabricada por nós não é liturgia, é um evento social: pode alegrar, distrair, dar sensação de bem-estar, mas jamais nos dará a vida divina, a vida de Deus! É importante que compreendamos que os próprios livros litúrgicos da Igreja (o missal, o livro dos sacramentos, o livro das leituras, os volumes do ofício divino) não são inventados por um grupo de técnicos em liturgia. Eles são a síntese e a depuração através dos séculos do que melhor foi nascendo na vida da Igreja ao longo desses dois mil anos. Cada rito, cada gesto, cada palavra, cada oração tem seu sentido, sua história, sua razão de ser. Seria uma arbitrariedade tremenda que um padre ou uma comunidade tomasse isso como se fosse propriedade privada e fizesse do seu modo!

Além do mais, é necessário compreender que a liturgia é rito, rito religioso. Rito não se inventa, não se cria. Jesus celebrou cumpria fielmente os ritos judaicos... O belo do rito é que ele tem a sua função e a sua força precisamente na repetição. Quando um cristão vai à missa, vai para celebrar a páscoa de Cristo, tornada presente no seu sacrifício, celebrado e oferecido em nosso altares. Um católico não vai à missa esperando novidades ou criatividades do padre, não vai ver o show do sacerdote nem a euforia da comunidade. Não se vai à missa perguntando: “O que teremos hoje de novidade, de teatro, de dramatizações, de palmas?” A novidade é e será sempre Cristo, oferecido em sacrifício e dado em comunhão para o louvor de Deus e para a vida do mundo! Vai-se à missa sabendo-se exatamente que ritos, que palavras, que gestos, lá serão encontrados – e é aí que cada um traz sua vida, suas esperanças, suas tristezas, desafios e preocupações para colocar no coração de Deus. O que é lindo numa celebração é que, exatamente pelo respeito às normas, todos podem aí se encontrar na paz do Mistério de Deus: quem está triste ou alegre, quem vai suplicar ou agradecer, quem se sente sereno ou angustiado; todos, na comunhão do rito, colocam-se diante de Deus, que vem misericordiosamente ao nosso encontro. Assim, o rito litúrgico torna-se ambiente de paz, de encontro com Deus no seu Mistério, que renova a vida, dá sentido à existência e nos enche daquela plenitude que só Deus pode nos conceder. E o rito cristão é real porque, tendo sido instituído pelo Senhor ao ritualizar na Última Ceia o seu mistério pascal, foi desenvolvido no seio da Igreja e da fé da Igreja, geração após geração e é pleno do Santo Espírito, que torna presente no aqui em o agora da nossa vida ação salvífica de Deus através de Jesus Cristo. Então, a liturgia é sagrada, a liturgia é santa, a liturgia antes de ser nossa, é de Deus, antes de ser desta comunidade é da Igreja toda e de todos os tempos!

Artigos Relacionados:

relatedArticles
 

Fornecido por Joomla!. Designed by: Joomla 1.5 Template, database terminology. Valid XHTML and CSS.