Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

A Sabedoria escondida em todas as coisas

May 28, 2010

“Quero recordar agora as obras do Senhor,

o que vi contarei.

Ele sondou as profundezas do abismo e do coração humano,

penetrou os seus segredos.

Porque o Altíssimo possui toda a ciência

e vê o sinal dos tempos.

Nenhum pensamento lhe escapa

e nenhuma palavra lhe é escondida.

Todas as coisas formam dupla, uma diante da outra

e ele não fez nada incompleto...” (Eclo 42, 15.18.20.24)

 

Um dos males muito profundos do nosso tempo é a incapacidade de contemplar, de parar gratuitamente diante da vida, da criação, dos acontecimentos, só para dar uma espiadinha despretenciosa e procurar saborear um pouco o sentido da existência.

Nosso mundo tudo quanto toca deseja manipular, usar em favor do tempo, do lucro, da vantagem... Mas, assim, não se vê o essencial, perde-se o mais importante, torna-se míope para o fundamental.

Na sua simplicidade, o Autor sagrado olha a criação; olha-a contemplando-a, como uma criança deslumbrada, deixando-se envolver e maravilhar pelo que contempla. Assim, em tudo reconhece a presença sábia, providente e amorosa do Senhor. Percebe que a realidade lhe escapa – e ainda hoje é assim: Tu, ó homem, não podes compreender de modo exaustivo o mistério da realidade, da vida, dos por quês da natureza e nem mesmo do teu coração... E quando nos colocamos de modo soberbo e pretensioso diante desses mistérios, eles se tornam opacos, nada nos revelam e provocam uma angústia sem fim, que nos faz sentir pequenos, vazios, jogados a toa, num mundo sem sentido. Ao invés, quando tomamos consciência que, no princípio de tudo e por trás de tudo há um Amor infinito, uma Sabedoria providente e amorosa, então tudo ganha novo sentido. Ainda que não compreendamos tantas coisas e não tenhamos a resposta exata para tantas perguntas, podemos, feito crianças, olhar para o Alto, para Aquele que habita nos céus, e exclamar com sabedoria de menino: “Eu não sei; mas, tu sabes! Eu não compreendo; mas, tu compreendes! Estou em tuas mãos benditas; tudo está em tuas santas e providentes mãos! Tu me amas; eu te amo! O teu Nome é Eternidade; o teu Nome é Amor!”

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags