Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

O Filho de Deus morreu humanamente!

April 23, 2017

Comentando a paixão de Cristo, recebi a seguinte pergunta: “Quem morre: a natureza humana ou divina de Cristo? Ou as duas? Como ocorre este mistério?” Eis a resposta:

O primeiro passo importante para compreender o mistério é distinguir bem “pessoa” e “natureza”.
Pessoa é o sujeito da existência e da ação, é o “eu” que vive e realiza as ações. Assim, para identificar a atividade própria da pessoa, devemos perguntar: “quem?” Em Jesus há somente uma pessoa, a segunda Pessoa da Trindade, o Filho eterno. Então, o sujeito de qualquer ação na existência e na atividade do Senhor é sempre a segunda Pessoa da Trindade Santa.
Em Jesus é Deus mesmo Quem age.
Então na pergunta acima, temos uma formulação errada: quem morre: a natureza...? Não! Quem morre não é a natureza, mas a Pessoa! Quem morreu naquela cruz? A Pessoa divina! A segunda Pessoa da Trindade Santa!
Que mistério: Deus Filho morreu!

Vamos adiante: Natureza é o modo como a pessoa concretamente existe e se exprime. Para identificar o que é próprio da natureza eu pergunto: “como?”, “de que modo?”
Em Jesus há duas naturezas. Ele, como Filho eterno sempre existiu na natureza divina, que é a mesma do Pai e do Espírito Santo (não somente igual a do Pai e do Espírito Santo, mas a mesmíssima).
Ao Se encarnar em Maria Virgem, sem deixar de ter Sua natureza divina, Ele assumiu a nossa natureza humana. No Seu estado de humilhação, vemos sempre nos evangelhos (quem?) a Pessoa divina agindo (como, de que modo) na natureza humana.

Agora recorde: a natureza humana é uma unidade substancial de corpo humano e alma humana (alma quer dizer psiquismo, vida psíquica integral: consciência, liberdade, conhecimento, inteligência, vontade... Jesus teve tudo isto igual a nós!).

Assim, no texto dos evangelhos vemos sempre o Senhor, Pessoa divina agindo humanamente! Deus humanou-Se, Deus viveu, pensou, conheceu, desejou, agiu em modo humano! A Encarnação não é uma faz-de-conta: é real! O Senhor Deus Filho verdadeiramente assumiu a condição humana em tudo – menos no pecado, que é desumano!

Agora, sim, a resposta à questão: Quem morreu na cruz foi a Pessoa divina do Filho de modo humano! Ou seja: o santíssimo Filho eterno do eterno Pai, Filho imortal, experimentou com todo o realismo, com toda a profundidade, com toda a verdade a morte humanamente!
Como Deus, Ele não pode experimentar a morte, pois a natureza divina é imortal; como homem experimentou-a com toda a verdade e dramaticidade: no corpo, na alma triste e ferida, na sensibilidade, nas emoções... Assim, o Filho de Deus (pessoa) vivenciou a morte humana, a minha morte, para redimir minha morte e fazer com que eu morra com Ele e Nele viva eternamente!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags