Pensamentos de Sabedoria

“O Espírito do Senhor enche o universo, e Ele, que mantém unidas todas as coisas, não ignora nenhum som. Por isso, quem fala iniquamente, não tem desculpa, não poderá eludir a Justiça vingadora. Indagar-se-á sobre os planos do ímpio, o barulho de suas palavras irá até o Senhor, como prova de seus crimes. Um ouvido cioso ouve tudo, nem o rumor dos murmúrios lhe escapa. Guardai-vos, pois do murmúrio inútil, poupai a vossa língua da maledicência; não há frase furtiva que caia no vazio, a boca caluniadora mata a alma. Não procureis a Morte com vossa vida extraviada, não vos proporcioneis a ruína com as obras de vossas mãos. Pois Deus não fez a Morte nem tem prazer em destruir os viventes. tudo criou para que subsista; são salutares as gerações no mundo; nelas não há veneno destruidor, e o Hades não reina sobre a terra. Porque a Justiça é imortal!” (Sb 1,7-15) Recentemente, já escrevi alguns textos comentando trechos do Livro da Sabedoria. Às vezes se pensa que este livro é um pequeno tratado filosófico... Não é isto! O Autor sagrado, viveu às vésperas da era cristã, em Alexandria do Egito, numa época em que era moda muitos judeus abraçarem a cultura da moda, o helenismo pagão, fascinante, “politicamente correto”: todo mundo era helenista, todo mundo pensava assim, fazia assim, vivia assim... Por que os judeus deveriam ser diferentes, fechados? Assim, a grande tentação, que a muitos engoliu, era entrar num tipo de diálogo com o mundo gentio helenista, que, pouco a pouco, dissolveria a identidade do Povo de Deus, em nome da tolerância, da convivência, da compreensão, da paz romana do Imperador Augusto... Tratava-se, no fundo, de uma vida sem o Deus de Israel, o Deus da Aliança! Seria o deus de todos, o deus senhor de todos: da filosofia, de César, de todos os povos... Muitos judeus helenizados, mundanizados, ironizavam os judeus piedosos e fieis e deles zombavam... O Autor sagrado escreve para apontar a ilusão dessa paganização do judaísmo, dessa helenização infiel! O Texto santo previne: os ímpios vão se perder; os justos, os piedosos, viverão com o Senhor para sempre a Vida imortal, Vida de Deus, Vida de ressurreição... O Deus verdadeiro não é simplesmente o deus de todos, mas o Deus de Israel, revelado nas Escrituras, que está presente a tudo e todos na potência do Seu Espírito! Espalhados no mundo romano de então, o Autor sagrado recorda aos judeus que é o Espírito do Senhor Deus de Israel que tudo sustenta com o Seu Ser divino: Ele dá consistência e harmonia a todas as coisas, Ele em Quem tudo foi criado; Ele tudo dirige, Ele nada desconhece, nada escapa de Suas mãos, de Seu influxo de Vida! O judeu, naquela época, e o cristão, hoje, não devem se sentir perdidos na imensidão de um mundo hostil nem desanimar: tudo está nas misteriosas mãos do Senhor; Seu Espírito Santo tudo penetra, tudo sustenta, tudo guia, tudo conhece e reconhece: “não ignora nenhum som”... O cristão de hoje, como o judeu de ontem, deve compreender que o Deus verdadeiro não é o “deus” de que todos falam com a maior desenvoltura, mas o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Aquele que Se revelou nas Escrituras e em Jesus nos revela a verdade e o sentido e os critérios de uma verdadeira existência segundo a Sua santa vontade! Por isso mesmo, o crente esteja atento: Deus o observa; conhece seus pensamentos, sabe suas palavras... Ai daqueles que zombam de Deus, que pregam a infidelidade aos Seus preceitos com murmúrios inúteis e língua de maledicência! Nenhum de nós é neutro, é mero espectador! Não há como fugir, não há como acovardar-se, não há meio termo: ou somos fieis ou infiéis ao Senhor! Ou pensamos e falamos e agimos segundo o mundo ou segundo o Cristo Senhor! Qual o destino dos que abandonam o Senhor, daqueles que, conhecendo-O, se mundanizam, mesmo com a desculpa de diálogo com o mundo, construindo sua existência sobre a areia? Qual o destino desses? Encontrarão a Morte! Morte aqui, não simplesmente no sentido biológico! Trata-se de algo muito pior: é a morte como separação de Deus, como privar-se da Sua Vida, como morte da alma, a segunda morte, de que falará mais tarde o Apocalipse (cf. 20,14)! Deus não criou nenhum ser para esta Morte tremenda, pois ama tudo quanto criou e tudo fez para que Nele subsista, ou seja, Nele encontre o sentido da existência! A Morte como perda da Vida de comunhão com Deus é a negação do próprio sentido de existir, é viver na contradição, numa vida que é Morte. Vemos tão perto de nós, hoje em dia, esta Morte terrível de uma vida sem sentido! Santa Teresa dizia ao Senhor: “É morte o que eu vivo sem Ti, ó Vida minha!” Assim, aquele que vive no temor do Senhor, aquele que por Ele se deixa guiar e converter, aquele que Lhe é fiel e não O trai, paganizando-se, viverá em Deus, viverá a Vida plena do Justo, com o Santo, o Senhor, pois este é Imortal e Doador da imortalidade! Veja, Amigo, como a santa Palavra de Deus é viva, atual, eficaz, atuante, penetrante, como fala de nós e fala a nós! Pense bem nestas coisas! Sobre isto, eu e você seremos julgados!

Posts Em Destaque