Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Meditação para XXII Domingo Comum - Ano A

August 30, 2017

O Evangelho deste Domingo reflete um momento crítico da vida do Senhor Jesus. Ele sabe que será massacrado por Seus inimigos, sabe que a vinda do Reino de Deus passaria pelo desastre da cruz. – Nunca esqueçamos isto: a vinda do Reino passa pelo desastre da cruz; não há possibilidade de entrar no Reino sem que abracemos a cruz: “É preciso passar por muitas tribulações para entrar no Rino de Deus” (At 14,22). Agora, o Senhor anuncia isso aos apóstolos: Ele iria sofrer e morrer para ressuscitar.
Pedro não compreende como isso possa ser possível, não aceita tal caminho para o Mestre: “Deus não permita tal coisa, Senhor!” Eis que drama, caríssimos: a atitude de Pedro é a de muitos de nós: não compreendemos o caminho do Senhor, Seu sofrimento e Sua Cruz. Esse caminho do Senhor está presente na nossa vida; e nós não somos capazes de acolhê-lo, de perceber aí o misterioso desígnio de Deus. Nossa lógica, infelizmente, é tão mundana, tão terra-terra, tão presa à humana racionalidade, tão apequenada na medida da nossa lógica!
A dura reprimenda do Senhor a Pedro vale também para nós: “Tu és para Mim pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens”. Não nos iludamos: trata-se de duas lógicas sem acordo: não se pode abraçar a sede louca do mundo de se dar bem a qualquer custo, de possuir tudo, de viver sempre no sucesso, no comodismo, nas nossas vontades e desejos e no acordo com todos e, ao mesmo tempo, ser fiel ao Evangelho, tão radical, tão contra a corrente, tão contra nossos próprios caprichos e ilusões.
Vale para nós – valerá sempre – o desafio de Jesus: “Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua vida? O que poderá alguém dar em troca de sua vida?” Caros, olhai o Cristo, pensai no Seu caminho e escutai a palavra do Senhor a nós, Seus discípulos: “Se alguém quer Me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e Me siga. Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de Mim, vai encontrá-la!” Renunciar-se, tomar a cruz por causa de Jesus... por causa Dele! Não há, não pode haver outro caminho para um cristão! Qualquer outra possibilidade é ilusão humana!

Caros meus, estejamos atentos, que o Deus de Jesus – e o próprio Jesus é Deus! – nos coloca em crise. Nosso Deus não é um Deus fácil, manipulável, domesticável: Ele seduz, atrai, e Sua sedução no coloca em crise porque nos faz pensas as coisas de Deus, não as dos homens e isso nos faz nadar contra a corrente. Por mais que quiséssemos, já não seria possível esquecê-Lo, fazer de conta que não O encontramos um dia! É o drama do profeta Jeremias na primeira leitura deste hoje: “Tu me seduziste, Senhor!” É o que afirma o coração do Salmista: Sois Vós, ó Senhor, o meu Deus: a minha alma tem sede de Vós, como terra sedenta e sem água! Vosso amor vale mais do que a vida!”

Que fazer, meus caros? Por um lado, experimentamos a sede de Deus, a vontade louca de seguir de todo o coração o nosso Senhor Jesus, por outro lado, os apelos de um mundo soberbo e satisfeito consigo mesmo, atanazam o nosso coração... Que fazer? Como abraçar sinceramente a lógica do Evangelho?
Há só um modo de seguir adiante, de ser cristão de verdade: o caminho da conversão! O Evangelho é o Evangelho da conversão! Não é um caminho fácil: é difícil, doloroso, mas libertador. São Paulo, na segunda leitura de hoje, exorta-nos a tal caminho: “Eu vos exorto, irmãos, a vos oferecerdes em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual”
Compreendeis, irmãos? Compreendeis, irmãs? Seguir o Cristo é entrar no Seu caminho, é, em união com Ele, fazer-se sacrifício agradável a Deus, deixando-se guiar e queimar pelo Espírito do Cristo Crucificado e Ressuscitado. E o Apóstolo nos previne claramente: “Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que Lhe agrada, o que é perfeito”. Não tomar a forma do mundo, não viver como o mundo, com sua maneira de pensar e de avaliar as coisas. Só assim poderemos compreender a vontade de Deus – e ela passa pela Cruz e Ressurreição do Senhor!

Caríssimos, pensemos bem! Os cristãos não são mais perseguidos por soldados, já não são crucificados, jogados às feras ou queimados vivos. Hoje, o mundo nos combate invadindo nossa casa e nosso coração com tanta superficialidade e tanto paganismo, acirrando nossos instintos e explorando nossas fraquezas; hoje o mundo nos ataca nos ridicularizando, fazendo crer que o cristianismo é algo do passado, opressor e castrador... Hoje, a perseguição vem pela diluição do cristianismo no altar maldito do politicamente correto, de uma miserável e ímpia rendição ao mundo! Quantos cristãos enganam-se e enganam pensando que se pode dialogar com o mundo às custas do Evangelho e sua verdade que ilumina, seu fogo que queima... O mundo crucificou Jesus; o mundo crucifica o Evangelho; o mundo nos crucificará se formos fiéis ao Senhor. Estamos dispostos a pagar o preço? “O que poderá alguém dar em troca de sua vida?”

A única atitude realmente evangélica diante do mundo é o anúncio inteiro do Cristo, com todas as Suas exigências - sem disfarçar, sem esconder, sem se envergonhar, sem dar jeitinhos ou descontos... E isso com paciência, com compaixão, com amor, com todo respeito. Foi assim que Jesus fez, foi assim que os apóstolos fizeram, foi assim que procederam os santos de todas as épocas, é assim que nós devemos hoje fazer!

Levantemo-nos, meus caros! Sigamos o Senhor até a Cruz, para estar com ele na Ressurreição. Amém. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags