Deus: sonho e tormento...

Deus! Que palavra, que realidade! Saudade do homem, sonho do homem, gozo do homem, tormento do homem!

Deus! Existe? Quem viu Seu Rosto bendito? Quem jamais pôde imaginá-Lo, saber do Seu modo de ser, tão único, tão inefável, tão Outro em relação a tudo quanto possamos imaginar, sentir, pensar?

Deus! Onde está? Como chegar a Ele, conhecer Sua santa vontade?

Olhando a natureza, perscrutando o universo, o coração e a mente humanas sentem-se possuídos por uma sensação de mistério... E lá vai o homem, descobrindo tantas leis que regem o cosmo, decifrando tantos segredos do mundo... Mas, na medida em que descobre, mais vai percebendo que fica por descobrir... E ainda que tudo chegasse a descobrir deste mundo maravilhoso, deste universo impressionante, com misteriosas conexões de espaço, tempo, energia, matéria, antimatéria, ficariam ainda questões arrasadoras, que avassalam a alma: Por que existe tudo e não o Nada? E, mais ainda, para que tudo existe? E, tremendamente mais sério: Por que eu existo? Eu, com tanto de sonho, de consciência de mim e do mundo, com sede de ser feliz, mendigo de eternidade? Por quê? Para quê?

E, então, naqueles que não são levianos e não brincam com a existência sua e dos outros e de tudo, brota a tremenda sensação de vertigem, de impossibilidade de responder a tão fundamentais questões!

Vertigem, admiração... É de pensar: Aquela pedra ali, estática, no solo de Marte, aquele gelado tremendo deserto de Netuno, a beleza daquela galáxia gigante, Andrômeda, a bilhões de anos-luz da nossa Via Láctea... Que sen