Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Meditação 9 | Retiro Quaresmal - "São estas as palavras..."

February 23, 2018

Reze o Salmo 119/118,65-72
Agora, leia com piedade e coração que escuta na fé Dt 5,32 – 6,25

1. Logo no início desta perícope, mais uma vez, Moisés insiste na necessidade de se levar a sério, com toda fidelidade, a Palavra do Senhor, observando efetivamente Seus preceitos.
Retome os vv. 32s. Sobretudo nos tempos atuais, de politicamente correto, de idolatria do humano que se pretende colocar no lugar de Deus, como se o homem fosse a medida de todas as coisas – e isto até mesmo em certos setores da Igreja –, é, mais que nunca necessário voltar à Palavra do Senhor, escutando-O e obedecendo-Lhe!
Irmão, Amigo, não se desvie da Palavra do Senhor nem para a direita nem para a esquerda! Pense nisto com toda a seriedade da sua fé!

2. Dt 6,4,-9 é um texto importantíssimo para a fé de Israel: traz a oração chamada Shemá (Ouve!). Aí está o centro da fé do Antigo Povo: “Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Portanto, amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força!” Aqui, é necessário compreender bem:

(A) O apelo é feito a todo o Povo de Deus – e isto vale também para o Novo Povo, que é a Igreja! É a todo o Israel que o Senhor exorta, é todo o Povo Santo que deve compreender que o Senhor lhe dirige a Palavra. Trata-se de um apelo, de uma exortação soleníssima! Da atenção e obediência a esta Palavra do Senhor dependem a vida ou a morte de Israel, a manutenção ou a ruptura da Aliança, Israel viver na verdade ou na mentira, na realidade ou na ilusão! Atenção, que isto que vale para Israel vale para mim, vale para você!

(B) “Ouve, Israel!” Ouvir significa abri o ouvido, abrir o coração, abrir a vida, abrir toda a existência para acolher o Senhor que fala! Isto não é tão simples como pode parecer. Nossa tendência é viver fechados em nós mesmos, pensando do nosso jeito, arrumando a vida de acordo com nosso medida, julgando segundo nossos critérios, fazendo do nosso modo… A Palavra santa nos diz: “Ouve!” Isto é, abre teu coração, tua vida, teu entendimento, tua vontade: o Senhor vai falar-te e tu deves acolhê-Lo, colocar no teu coração e na tua vida a Sua santa vontade! Tu não pensarás, não julgarás, não farás, não viverás do teu jeito, segundo a tua medida, mas segundo Aquele que te fala! Em cada geração, em cada situação, em cada passo do teu caminho, ouve, Israel, aprende novamente, recorda, não te esqueças! Que todo o teu ser e que toda a tua vida estejam voltados para o Senhor! Pode-se dizer que o apelo a ouvir, a abrir-se para o Senhor é o núcleo, a raiz, a característica central da fé de Israel! Israel é o povo que ouve!
E você: vive aberto para o Senhor ou, ao invés, fecha-se em você mesmo?

(C) “O Senhor nosso Deus é o único Senhor!” É isto que sempre e em tudo Israel deve ouvir de novo: nada é Deus fora de Deus! Só o Senhor é absoluto, somente Ele é o chão, a certeza, o alicerce, a vida, a segurança, o futuro, o baluarte, a riqueza, o sentido de Israel! Ele é Único! Colocar qualquer coisa ao lado Dele ou no lugar Dele é pura e inaceitável idolatria! Só o Senhor é Deus! Pense: A pessoa a quem você ama não é Deus; só o Senhor é Deus! Sua família não é Deus; só o Senhor é Deus! Seu trabalho, seus bens não são Deus; só o Senhor é Deus! Seus instintos, sua razão, seu pensamento, seus talentos não são Deus; só o Senhor é Deus! Seu dinheiro, sua juventude, sua saúde, seu vigor físico não são Deus; só o Senhor é Deus no céu e na terra! Você tem colocado algo ou alguém ao lado de Deus ou no lugar Dele? Pense bem!
Reze com atenção e santo temor o Salmo 81/80.

(D) “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força”. Amarás! Eis o centro da fé de Israel, eis o centro da fé do cristão: amarás! O judeu-cristianismo é uma experiência de amor! Amor radical, total, absoluto a Deus! Se Ele é o Único, se Ele é a Rocha, o Alicerce, a Certeza, o Sentido, então a vida toda deve ser colocada em relação com Ele, deve tender para Ele! E a única atitude digna Dele é o amor! Amarás! Mas, é possível mandar que se ame alguém? A própria Escritura Santa afirma: “Quisesse alguém dar tudo o que tem para comprar o amor, seria tratado com desprezo!” (Ct 8,7b) O amor não se manda, não se compra, não se impões; o amor se conquista! Por isso mesmo, antes de ordenar que o Senhor seja amado, ordena-se que se escute… Escutando o Senhor, meditando em tudo quanto Ele fez pelos Seus, contemplando Sua grandeza e fidelidade, aí sim, pode-se amá-Lo de todo o coração! Então, você deseja, de verdade, amar o Senhor? Medite na Sua Palavra santa, traga no seu coração e na sua lembrança o Senhor e Suas obras e, com suave doçura, o Seu Santo Espírito o enamorará pelo Eterno!

3. O judeu piedoso deveria revestir-se, envolver-se totalmente com os preceitos do Senhor: a Palavra deveria estar no coração, deveria estar atada nas mãos e entre os olhos... Os judeus ortodoxos ainda hoje seguem à risca estes preceitos... Para nós, cristãos, é o sentido profundo que importa e obriga: viver como Jesus, nosso Senhor, viveu na vontade do Pai, o Deus de Israel: “Não o que Eu quero, mas o que Tu queres!” (Mc 14,36); “Eis-Me aqui: Eu vim, ó Deus, para fazer a Tua vontade!” (Hb 10,7) É este o sentido profundo destas palavras, que Jesus, nosso Senhor, viveu intensamente nos dias de Sua vida terrena... Pense nisto!

4. Reze o Salmo 40/39. Reze também a belíssima oração do Beato Charles de Foucauld:

“Meu Pai,
Eu me abandono a Ti,
Faz de mim o que quiseres.
Por tudo que fizeres de mim,
Eu Te agradeço.

Estou disposto a tudo, aceito tudo,
Desde que a Tua vontade seja feita em mim
E em todas as Tuas criaturas.
Nada mais quero, meu Deus.

Nas Tuas mãos entrego a minha vida;
Eu Ta dou, meu Deus,
Com todo o amor do meu coração,
Porque Te amo
E é para mim uma necessidade de amor dar-me,
Entregar-me nas Tuas mãos sem medida,
Com uma infinita confiança,
Porque Tu és o meu Pai!”

5. Nos vv. 10-13, Moisés recorda toda a carinhosa gratuidade do Senhor Deus: Israel habitará em casas que não edificou, comerá de reservas que não acumulou, beberá de poços que não cavou, colherá o que não plantou... Tudo foi graça de Deus! “Que possuis, que não tenhas recebido? E, se recebeste, por que haverias de te ensoberbecer como se não tivesses recebido?” (1Cor 4,7) Na nossa vida, como no caminho de Israel, tudo é graça, tudo é providência, tudo é dom de Deus! Mas, que perigo, na nossa distração e na nossa soberba e na nossa superficialidade, não percebermos isto! Então, esqueceríamos o Senhor: “Fica atento a ti mesmo! Não esqueças do Senhor!” (v. 12)
Pense um pouco nos dons, nos bens, nas graças que o Senhor lhe concedeu... Reconheça, agradeça, faça o firme propósito de colocá-los ao serviço da glória do Senhor! Ele é a sua salvação e a sua vida!

6. O carinho do Senhor deve despertar em Israel e em nós o compromisso de total confiança e total fidelidade e exclusiva adoração ao Senhor. Leia os vv. 14-19.

7. Finalmente, é muito importante observar como o Deuteronômio inculca o tempo todo o dever dos pais contarem as obras do Senhor aos seus descendentes! A fé não é uma teoria! Ela nasce de uma experiência viva, renovada a cada geração e transmitida às gerações seguintes. Veja os vv. 2.20-25.
Pense: Você tem contado as obras do Senhor aos mais jovens? Você educa seus filhos na fé? Não esqueça que assumiu este compromisso no dia do seu matrimônio: acolher os filhos que Deus lhes desse e educá-los na Lei de Cristo e de Sua Igreja católica! Você reza com sua família? Lembre-se: Narrar as obras de Deus é louvá-Lo! 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
</