Meditação 25 | Retiro Quaresmal - "São estas as palavras..."

Reze o Salmo 119/118,17-24 Agora, leia com piedade, com atenção e um coração que escuta Dt 19

1. Este capítulo apresenta algumas realidades que, para serem compreendidas, é necessário conhecer um pouco da cultura do antigo Oriente Médio, onde Israel vive… Primeiro, as cidades de refúgio. O Senhor Deus manda que se instituam cidades nas quais quem cometeu um mal involuntário para com o seu próximo, possa nelas se refugiar. Observe que aqui aparece não somente o senso da justiça, mas também a atenção à intenção de quem comete o mal. Se foi por acidente, então aquele lá não deve ser punido. Afinal, o Senhor Deus vê o coração do homem, para além de toda a aparência (cf. Jr 17,9-10; 1Sm 16,7). Observe como a justiça humana deveria imitar a justiça divina, como o nosso coração deve ser reflexo do Coração de Deus… E o seu coração? Cuidado, porque o coração humano é enganador (cf. Jr 17,9)! É preciso sempre colocar nosso coração, isto é, o nosso eu, diante do Senhor, que sonda o nosso coração! É necessário sempre de novo olhar Jesus nosso Senhor, aprender Dele, ter os sentimentos Dele (cf. Mt 11,28-30; Fl 2,5). Quando sabemos ler o Antigo Testamento, vemos já ali o Coração de Deus que, em Jesus nosso Senhor, revelará toda a Sua misericórdia, toda a Sua benevolência! Então, peça ao Senhor Jesus, Ele que é Imagem do Pai, um coração como o Dele: manso, humilde, justo, compassivo…

2. É neste horizonte que deve ser compreendida a lei do talião, tão mal interpretada: “Vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé!” (v. 21) Numa compreensão superficial, podemos ficar impressionados com tamanha ferocidade! Mas, é exatamente o contrário: esta lei é um princípio que orientava o juiz para que a pena fosse proporcional à falta! Ela, na verdade, recomenda a moderação contra o