Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Meditação 27 | Retiro Quaresmal - “São estas as palavra...”

March 17, 2018

Reze o Salmo 119/118,33-40
Agora, leia com piedade, com atenção e um coração que escuta Dt 21

1. Este capítulo 21 bem que poderia escandalizar muita gente! Traz prescrições antigas, próprias do Oriente semita, bem diferentes dos nossos costumes! Nunca nos esqueçamos que o Senhor Deus Se revelou na história do Seu Povo Santo e, como um pai que educa o seu filho, foi educando Israel, falando-lhe numa linguagem adequada a cada estágio da sua história e do seu percurso cultural. Isto nos revela como uma leitura fundamentalista das Escrituras – como tantas e tantas seitas fazem – é deletéria e errada! É necessário sempre situar o Texto Santo no seu contexto literário (isto é, saber de que tipo de literatura se trata: é um poema, é um romance, é saga, é uma notícia história…), no seu contexto redacional (isto é, dentro do livro inteiro no qual determinada passagem se encontra), dentro do seu contexto histórico (em que época foi escrito e quais as características daquela época) e do seu contexto teológico (na época em que foi escrito o texto em que ponto estava a fé de Israel, a maturidade da Revelação…)… Nunca esqueça: a Escritura é Palavra de Deus, mas escrita de modo humano; não é um conjunto de livros caídos do céu… É preciso saber encontrar nas palavras a Palavra! E isto, com certeza, não se consegue de modo algum numa leitura fundamentalista, como vemos fazer-se a torto e a direito aqui no Brasil...

2. Uma bela realidade deste capítulo é o apreço profundo que se tem pela vida humana! Um assassinato é tido como uma tragédia para o Povo Eleito, pois a vida é sagrada, é dom de Deus! Observe: por causa de um morto, deve-se matar uma novilha nova e não se deve mais cultivar aquela terra na qual a novilha foi morta. Em outras palavras: nunca se banaliza a morte de alguém, pois o ser humano é sagrado, é imagem de Deus! Veja nos vv. 7-9 como todo os israelitas proclamam sua inocência quanto ao sangue derramado daquele que fora morto e como pedem perdão ao Senhor pela vida humana que foi tirada! Todos se sentem responsáveis! E você, respeita a vida dos outros e a sua própria vida? Lembre que há vários modos de matar o irmão: a indiferença, a dureza, a prepotência, a língua, etc. Leia com atenção 1Jo 3,14-18.

3. Veja a prescrição para a mulher capturada numa guerra e tomada por esposa… Costumes bárbaros… Mas, também aí, o Senhor ilumina as situações duras com Sua luz: se a serva for desposada pelo seu senhor, este, se resolver divorciar-se dela, não a venderá como escrava, mas a deixará em liberdade por ter sido sua mulher… Lembre-se de que no Antigo Testamento, o matrimônio ainda não era sacramento e não era indissolúvel! Com Jesus Nosso Senhor, o matrimônio passou a ser sacramento do amor, da aliança nova e eterna entre o Cristo-Esposo e a Igreja-Esposa! O matrimônio cristão é indissolúvel e quem se separa do seu cônjuge e entra numa nova relação conjugal comete adultério! Esta é a imutável palavra do Cristo Jesus (cf. Mt 19,1-9). O Senhor nosso convida o cônjuge que foi abandonado a abraçar uma vida de celibato (cf. Mt 19,10-12). Ele sabe que isto é difícil! Por isso, previne que é necessário ter um coração de criança para aceitar esta Sua exigência (cf. Mt 19,13-15). A Igreja não julga a história e as dores de cada pessoa que fracassou no seu matrimônio. Pelo contrário: procura acolher como mãe solícita as pessoas que, uma vez casadas no Senhor, vivem numa segunda união. Essas pessoas devem ser acolhidas, respeitadas e seguidas para que vivam essa nova união do melhor modo possível. No entanto, não é permito à Igreja fingir que vai tudo bem! O casal em segunda união, ainda que participe da vida da Igreja, deve abster-se da comunhão sacramental, fazendo com piedade e humildade, a sua comunhão espiritual. Nunca esqueçamos: a comunhão não é direito de ninguém; é pura graça de Deus! Diante de Cristo, somos todos discípulos – só Ele é o Mestre e o Guia (cf. Mt 23,9ss) – e devemos ao Senhor a obediência da fé, mesmo quando isto nos custa! Aquele que humildemente obedece ao Senhor, mesmo no sofrimento, não ficará sem a recompensa! Todos nós devemos nos por a caminho para crescer no seguimento de Cristo. Também aquele que está numa segunda união: deve caca vez mais crescer na oração, na disponibilidade para ajudar os irmãos e servir na comunidade paroquial, confiando no Senhor, que é misericórdia e piedade... Mas, isto tudo, sempre na verdade do Evangelho!

4. Um outro ponto tratado neste capítulo é a educação dos filhos! A Escritura é duríssima com os filhos rebeldes… Nunca esqueça: compete primeiro aos pais educar os filhos: é direito e dever deles diante de Deus! Educa-se os filhos com amor, com cuidado, com diálogo, com compreensão, mas também com firmeza, com limites, com correção… Leia Eclo 7,22-28/24-30; 30,1-13; Ef 6,1-4; Cl 3,18-21. Nunca esqueça: a autoridade dos pais sobre os filhos é sagrada e dada por Deus! Os filhos têm o dever sagrado do respeito e obediência a seus pais e estes, por sua vez, têm o dever de educar, amar e bem tratar os seus filhos. Você educa seus filhos? Trata-os como pai e mãe ou, ao invés, não usa a autoridade sobre eles? Dedica tempo para conversar, orientar, rezar com seus filhos? Você, como trata seus pais? Reze o Salmo 128/127. Leia Eclo 3,1-16/1-18.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags