Meditação 33 | Retiro Quaresmal - "São estas as palavras..."

Reze o Salmo 119/118,81-88 Agora, leia com piedade, com atenção e um coração que escuta Dt 29 – 30 1. Em 29,1 há dois detalhes importantes: (a) Moisés convoca todo Israel, isto é, todo o Povo Santo de Deus, do presente e do futuro, de todas as gerações (cf. 29,13s). Nunca é demais recordar: a Aliança do Senhor não é com pessoas individuais, mas com um Povo! A salvação é pessoal, mas não é individual, não é desligada da pertença ao Povo de Deus! Quando Deus chamou Abraão nosso pai foi para com ele formar um povo (cf. Gn 12,1ss)... Assim também com os demais patriarcas... Quando Deus fez uma aliança com Davi e sua casa, foi para o bem do Povo Santo! Não há uma relação com Deus simplesmente privada, interesseira, no espírito do “se dar bem”! Isto, tão pregado pelas seitas, é completamente fora do espírito das Escrituras Santas. O próprio Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, selou, no Seu cálice de dor e sacrifício amoroso, a Nova e Eterna Aliança com um Novo Povo, a Igreja (cf. Mt 26,27s)! E entrega o sacrifício da Aliança aos Doze, para que eles o celebrem com a Igreja e para a Igreja! É “todo Israel” que deve ouvir e obedecer; é “todo Israel” que deve ser o Povo da Aliança! (b) Outro detalhe: Moisés diz ao povo, nas planícies de Moab, às vésperas de entrar na Terra Prometida: “Vós mesmos vistes...” Ora, toda a geração que saíra do Egito já havia morrido, todos aqueles que tinham visto os sinais portentosos do Senhor Deus no Egito (cf. Dt 1,3.34-38) E, no entanto, Moisés diz: “Vós mesmos vistes...” O sentido disto é profundo: cada geração de Israel, celebrando anualmente a Páscoa judaica, deve saber que saiu do Egito, deve saber que foi beneficiária dos atos salvíficos do Eterno e testemunha de Seus portentos em benefício do Seu Povo! O mesmo se dá no cristianismo: celebrando o Sacrifício eucarístico, vivendo na potência do Santo Espírito de Cristo, cada geração cristã torna-se contemporânea à Páscoa do Senhor, é beneficiária deste portentoso evento salvífico! Também a nós pode ser dito: “Vós mesmos vistes... Vós mesmos comestes e bebestes com o vosso Senhor... Vós mesmos sois testemunhas dessas coisas!” Não receber os santos sacramentos, ausentar-se das assembleias eucarísticas é, nada mais nada menos, excluir-se da comunhão com o Senhor, da intimidade com Ele, da contemporaneidade com Sua ação