Homilia para a Solenidade da Ascensão do Senhor – Ano B

At 1,1-11 Sl 46 Ef 4,1-13 Mc 16,15-20 Hoje, celebramos o mistério da Ascensão do Senhor. É mistério porque brota do Coração de Deus, o Santo, o Infinito, o Inabarcável, o Incompreensível, o Eterno, o Inefável, o Sábio, Aquele cujas profundezas jamais poderão ser sondadas pela mente e pelo coração humanos; é mistério porque ultrapassa tudo quanto possamos imaginar ou compreender, é mistério porque nos dá a Vida eterna, Vida divina, Vida que “os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu” (1Cor 2,9), é mistério porque trata-se de uma realidade que somente pode ser compreendia no Espírito Santo de Cristo (cf. 1Cor 2,10) e jamais nos simples limites da humana razão. A hodierna Solenidade, caríssimos, é uma só com a do Dia de Páscoa: Aquele, feito homem igual a nós, morto como nós, que admiramos levantado dentre os mortos e constituído em Glória na Ressurreição, hoje, contemplamo-Lo à Direita de Deus, com a mesma autoridade do Pai, e O proclamamos Cabeça da Igreja, Senhor sobre toda a criação, sobre toda a humanidade, Princípio e Fim da história humana e Juiz dos vivos e dos mortos. No Dia da Páscoa contemplamos o Cristo resplendente de Glória; na Solenidade de hoje, contemplamos o que essa glória significa para nós todos, isto é, o que o Cristo, glorificado em Si mesmo, tornou-Se para nós e para toda a criação! Eis, caríssimos Irmãos: Primeiramente, a Ascensão do Senhor nos faz compreender, com o Coração guiado pelo Espírito Santo, que o Cristo que por nós Se fez homem, como um de nós viveu e por nós morreu, Ele mesmo, agora, com a Sua humanidade glorificada, está à Direita do Pai. Pensai bem, que isto é admirável: um da nossa raça, o homem Jesus, Criador feito criatura, participa agora do mesmo Poder divino, acima de todas as criaturas! Que mistério: Nele, a nossa humanidade está totalmente glorificada! Como dizia a oração inicial desta Santa Missa, “a Ascensão do Filho já é a nossa vitória” porque um homem, o homem Jesus, imolado e ressuscitado, entrou nos Céus – e “Céus” no plural, ali, onde somente Deus É, isto é, no interior da própria Vida do seio da Trindade Santa! O homem Jesus entrou no seio da Trindade e nós, enxertados Nele, a Ele unidos no Batismo e na Eucaristia, como membros do Seu Corpo, que é a Igreja, de modo misterioso, mas real, com Ele entramos no seio de Deus, com Ele nos sentamos nos Céus! Eis: nós sabemos: onde já está a nossa Cabeça, estaremos também nós um dia! Como diz a segunda leitura da Missa de hoje, chegaremos “todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do Homem perfeito e à estatura de Cristo em Sua plenitude”. Vede, portanto, caríssimos, que destino a Festa deste hoje nos revela: chegar à estatura do Cristo em Sua plenitude! Nada menos que isso pode saciar o coração humano; nada menos que isso pode nos contentar, pode nos dar paz! Olhai para o Cristo glorioso à Direita do Pai e vereis a que sois chamados... Contemplai, pois o nosso destino! Pensai que miséria a do nosso mundo, que vive de bagatelas, empenha todo o seu afeto com futilidades e procura alegria e plenitude no que é efêmero! Tanto maior a grandeza que contemplamos em Cristo, mais deveria nos espantar a ilusão e alienação do mundo atual! Recordai, caros, a exortação do Apóstolo: “Esforçai-vos por alcançar as coisas do Alto, onde está Cristo, sentado à Direita de Deus; aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres. Quando Cristo, vossa Vida, aparecer em Seu triunfo, então vós aparecereis também com Ele, revestidos de glória” (Cl 3,1-4). Em segundo lugar, sentado como Senhor à Direita do Pai, Jesus é o Senhor do universo e de toda a história. Vede a criação, caríssimos! Pensai nas galáxias, recordai as estrelas, imaginai a riqueza de vida nas profundezas do mar, pensai ainda na sede de Infinito do coração humano... De tudo isso Cristo é Senhor; tudo caminha para Ele, Ele é a Finalidade de tudo, também da história humana. Por mais que o homem pecador trame contra Cristo, por mais que o mundo hodierno volte suas costas ao Senhorio do Ressuscitado, tudo caminha para Ele e Ele triunfará ao fim de tudo – Ele é o Alfa e o Ômega, o A e o Z, o Princípio e o Fim de todas as coisas! Hoje, mais que nunca, as palavras do Salmo 2 se mostram verdadeiras: “Por que as nações se amotinam,/ e os povos meditam em vão?/ Os reis da terra se insurgem,/ e, unidos, os príncipes conspiram/ contra o Senhor e contra o Seu Messias!/ O que habita nos Céus ri,/ o Senhor Se diverte à custa deles./ E depois lhes fala com ira,/ confundindo-os com Seu furor:/ ‘Fui eu que consagrei o Meu Rei/ sobre Sião, Minha montanha sagrada!’/ Vou proclamar o decreto do Senhor:/ Ele Me disse: ‘Tu és Meu Filho,/ eu hoje Te gerei./ Pede, e Eu Te darei as nações como herança,/ e os confins da terra como propriedade!” Por tudo isso, Ele é o Juiz de tudo quanto existe. Valerá a pena e durará para a Eternidade, terá sentido, tudo o que estiver sob o Seu Senhorio de paz, de amor, de vida, de justiça e de santidade. Tudo quanto não condisser com o Seu Reinado perecerá, passará, pois não servirá para mais nada a não ser para ser jogado fora e pisado pelos homens. Mais ainda: o Senhor Jesus, hoje no mais alto dos Céus, é Cabeça da Igreja. Aquele que é o Unigênito de Deus, pela Sua Ressurreição e pelo dom do Seu Espírito, tornou-Se o Primogênito de muitos irmãos, Cabeça do Seu Corpo, que é a Igreja. Eis, meus irmãos: o Cristo pleno de Glória que está nos Céus, é nossa Cabeça e Dele continuamos recebendo a Vida, que é o próprio Espírito Santo. Esta Vida vem-nos, sobretudo, nos sacramentos, especialmente na Eucaristia, na qual recebemos o Cristo morto e ressuscitado, pleno do Santo Espírito, Senhor que dá a Vida divina. Olhando para Aquele que está à Direita do Pai e é nossa Cabeça e Princípio, como não nos alegrar? Como não nos encher de esperança? Como não ter a certeza que nossa vida caminha para a Plenitude? Não estamos sozinhos, irmãos! A Igreja jamais estará sozinha – seu Senhor é o mesmo que está à Direita do Pai; seu Esposo e Cabeça é o Rei da Glória! Por fim, caríssimos, a Festa de hoje - que, de certo modo já nos prepara para o encerramento do Tempo da Páscoa, com o Santo Pentecostes, no próximo Domingo -, a Festa de hoje nos convida a colocar os pés nas estradas do mundo - na nossa família, no nosso trabalho, entre os nossos amigos, na vida social -, pés nas estradas do mundo para proclamar o Senhorio de Cristo. Lembrai-vos hoje da Sua promessa, lembrai-vos da Sua missão: “Recebereis o poder do Espírito Santo que descerá sobre vós, para serdes Minhas testemunhas até os confins da terra!” Coragem, pois, caríssimos! Se conhecermos Jesus de verdade, se O experimentarmos realmente na nossa vida, se crermos na Sua Glória e esperarmos com todo nosso coração participar dela, seremos, então, Suas testemunhas e nossa convicção, nosso amor e nossa esperança invencível contagiarão a muitos. Portanto, “homens da Galileia, por que estais admirados, olhando para o céu? Este Jesus há de voltar, do mesmo modo que o vistes subir!” Façamos, pois, como nossos irmãos das origens, que saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e confirmava Sua Palavra por meio dos sinais que a acompanhavam”. Que assim seja! Amém.

Posts Em Destaque