Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Homilia para o II Domingo do Advento - Ano C

December 9, 2018


Br 5,1-9
Sl 125
Fl 1,4-6.8-11


Estamos no Domingo II do Advento. Este é um tempo de espera. Um tempo a nos recordar que a humanidade toda espera, mesmo sem saber: neste mudo cansado e ferido, o coração humano espera um sentido pra vida, espera a paz, espera o amor, espera a plenitude... Para usar a linguagem da Bíblia: espera a salvação! A humanidade esperou e espera...
Também o povo de Israel esperou. Nos momentos de escuridão da sua história, Israel levantou-se e continuou o caminho, porque alicerçado na promessa do seu Deus. A primeira leitura da Missa de hoje apresenta-nos esta realidade de modo comovente: quando o Povo estava na maior escuridão do exílio de Babilônia, Deus lhe falou de esperança. Estas palavras ainda hoje nos tocam e comovem, ainda hoje são para nós: “Depõe a veste de luto, e reveste, para sempre, os adornos da glória vinda de Deus! Cobre-te com o manto da justiça que vem de Deus e põe na cabeça o diadema da glória do Eterno!” Deus promete ao Seu Povo a felicidade, a bênção, a glória – não quaisquer umas, mas aquelas que vêm de Deus! Nosso Deus foi e sempre será o Deus da promessa, o Deus que nos aponta para um futuro de bênção, que nos enche de esperança, que faz nosso coração palpitar, sonhando com a paz que ele dará!

Ora, esta esperança, esta bênção, esta paz, esta plenitude, este futuro, têm e terá sempre um nome: Jesus Cristo! Tudo se cumpre Nele, tudo se resume Nele; Nele, tudo é pleno e duradouro: Ele é o Sim de Deus para Israel e para toda a humanidade!

A salvação que a humanidade esperou e os profetas prometeram a Israel, no Evangelho deste Domingo aparece tão próxima: ela entra na história humana; não fica lá em cima, no céu; entra nas coordenadas dos nossos pobres dias: “No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes administrava a Galileia, seu irmão Filipe, as regiões da Itureia e Traconítide, e Lisânias a Abilene; quando Anás e Caifás eram sumos sacerdotes...” Nossa fé não é um mito, nossa esperança não é uma quimera: ela veio, entrou no nosso mundo, no nosso tempo, no nosso espaço, na nossa pobre vida, nos nossos dias tão pequenos: “... foi então que a Palavra de Deus foi dirigida a João, filho de Zacarias, no deserto”. Como é belo o Advento! João anuncia que chegou o tempo, que com Aquele que vem, o próprio Deus, em pessoa, faz-Se presente: tempo de salvação, tempo decisão, tempo de acolher o convite para o Reino! Deus cumpriu e cumprirá Sua promessa, ao enviar Jesus; Deus satisfez o sonho que Ele mesmo colocara no coração humano, no nosso coração, ao nos dar Jesus. Deus é fiel!

Nunca esqueçamos: este Jesus que veio – e estamos nos preparando para celebrar o Seu santo Natal -, é o mesmo que ainda esperamos para consumar a Sua obra no Dia final. Na Epístola aos Filipenses, segunda leitura da Missa de hoje, São Paulo nos fala do Dia de Cristo – aquele Dia que começou em Belém, brilhou na Ressurreição e será pleno na Vinda final do Senhor. Deus nos prometeu este Dia bendito, no qual todas as esperanças humanas serão realizadas! O cristão vive os dias deste mundo na esperança deste bendito e eterno Dia. Por isso, o Apóstolo deseja que permaneçamos puros e sem defeito “para o Dia de Cristo, cheios do fruto da justiça que nos vem por Jesus Cristo, para a glória e louvor de Deus”. Ele confia que, no que depender do Pai celeste, nós cresceremos na obra de Deus até“à perfeição até ao Dia do Cristo Jesus”.
O Advento, portanto, é tempo de esperança, de espera, de sonho... Mas é também tempo de compromisso em nos preparar para o Senhor que vem e vem vindo sempre. É tempo de preparar os caminhos do Senhor, endireitar Suas veredas! Que todo vale de nossos pecados e baixezas seja aterrado; que as colinas do nosso orgulho, da nossa autossuficiência e prepotência sejam aplainados. Que, numa vida de conversão, vejamos a salvação de Deus... E os outros, os de fora, vejam em nós a obra desta salvação!

Não percamos tempo! A oração da Missa pedia a Deus que nenhuma atividade terrena nos impedisse de correr ao encontro do Filho que vem. Por favor, em Nome de Cristo: levantemos os olhos de nossa mediocridade, de nossas preocupações pequenas e mesquinhas! Levantai a cabeça: a vossa Salvação se aproxima! Não sejamos desatentos, a ponto de não perceber e não acolher Aquele que veio, vem vindo e virá na Glória!

Terminemos esta meditação com as palavras de um poeta pagão, mas que exprimem bem o que a Palavra de Deus, que ouvimos hoje, nos quer dizer. É um poema de Tagore:

Não ouvistes os passos silenciosos?
Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre!

A cada momento e a cada estação,
a cada dia e a cada noite,
Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre!

Várias cantigas cantei,
em vários disposições de espírito,
mas as suas notas sempre proclamaram:
Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre!

Nos dias perfumados de abril luminoso,
pelo caminho do bosque
Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre!

Na sombra chuvosa das noites de junho,
na carruagem trovejante das nuvens,
Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre!

De tristeza em tristeza,
são os Seus passos que pisam o meu coração!
E é o contato de ouro de Seus pés
que faz brilhar minha alegria!


Pois bem! Vem, Senhor Jesus, vem sempre!
Vem nas alegrias, mas vem também nas tristezas da vida!
Que saibamos discernir as Tuas vindas e os rastros de ouro que Teus pés benditos deixam na nossa vida!

Vem, Senhor, porque somos frágeis!
Vem, Senhor, porque somos pobres!
Vem, Senhor, porque muitas vezes o peso da vida é grande demais!
Vem, Senhor, porque temos medo da noite!
Vem, vem com Tua luz, ó Senhor Jesus! 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags