Meditação IV - Segunda-feira da I semana da Quaresma

Reze o Salmo 118/119,25-32 Agora leia Gl 1,11-24 1. “O Evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, pois eu não o aprendi de algum homem, mas por revelação de Jesus Cristo”. Afirmação impressionante, esta! O Evangelho, isto é, o anúncio de Cristo e a doutrina que daí decorre não é segundo a lógica humana, segundo a medida humana. O Evangelho não é sob medida para “agradar os homens”. Pense: Qual a lógica do Evangelho? É a lógica da Cruz de Cristo, Cruz que é sinal de total obediência amorosa ao Pai e total amor aos irmãos. Esta Cruz é loucura, é falta de sentido para o mundo. Leia e reze 1Cor 1,17-31. 2. Agora, reflita nos seguintes pontos: a) O Evangelho não é contra a lógica humana ou a sabedoria humana, mas as ultrapassa; não se deixa limitar ou julgar por elas. Preste bem atenção: é o Evangelho que julga o mundo e o transfigura, não é o mundo que julga e rebaixa o Evangelho. Quem adequa o Evangelho ao mundo “não é amigo de Cristo”. Responda com sinceridade diante de Cristo e da sua consciência: na sua vida, qual é o critério: o Evangelho ou o mundo? Seu coração adequa o mundo ao Evangelho para converter sua vida ou o Evangelho é rebaixado ao mundo? b) O mundo, simplesmente pela medida da sua lógica, da sua sabedoria, jamais poderá acolher de verdade a lógica do Evangelho e suas exigências. A sabedoria humana, para chegar à medida do Cristo, tem que abrir-se verdadeiramente à loucura de Cruz! Isto exige de todos nós, o tempo todo, conversão! Nunca esqueça: você somente poderá compreender o pensamento do Senhor Deus se se deixar conduzir pelo Cristo, deixando-se a você mesmo: seus pensamentos, sua lógica, sua medida, seu cálculo humano... E isto é um processo que dura a vida toda! 3. É indispensável que compreendamos que o Evangelho, isto é, o anúncio cristão e suas consequências, não é obra humana, mas vem de Deus e deve ser acolhido na “obediência da fé” (Rm 1,1-5).Isto: a fé exige a obediência amorosa! Crer é entregar-se ao Senhor, é deixar-se por Ele conduzir, a Ele convertendo-se continuamente (cf. Jo 8,12). 4. Nos vv. 13-14, o Apóstolo recorda sua situação passada: era inimigo visceral da Igreja de Deus! Não esqueçamos: ser inimigo da Igreja de Deus é ser inimigo de Cristo: “Saulo, Saulo, por que Me persegues?” (At 9,4s)Quando falamos Igreja, o que queremos dizer? A comunidade dos discípulos do Cristo, na qual se entra pelo Batismo e na qual se mantém e se cresce pela Eucaristia, sacramentos da comun