A propósito de Jo 14,21-26

A Liturgia destas últimas semanas da Páscoa coloca-nos à Mesa da Última Ceia com o Senhor Jesus Cristo, o Ressuscitado que foi e continua imolado por nós. É a Eucaristia, bendito banquete sacrifical, o lugar absolutamente privilegiado para escutar o Senhor e com Ele nos encontrarmos (cf. 1Cor 11,26).

Na perícope desta segunda-feira da V semana pascal, o Senhor afirma que se alguém tem os Seus mandamentos, isto é, se os guarda, é porque O ama, é impelido pelo Espírito Santo; afinal, “o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito que nos foi dado” (Rm 5,5).

É o Espírito de Amor do Cristo que, em nós, faz-nos amá-Lo e, amorosamente, guardar os Seus mandamentos, que, no Amor, não são pesados (cf. 1Jo 5,3)! Esse Espírito de Amor não somente estabelece a comunhão profunda de Vida entre o crente e Jesus nosso Senhor, como também a comunhão com o Pai. Assim, como o Pai ama o Filho e a Ele Se dá no Espírito, assim também, o Filho, dando-nos o Seu Espírito, coloca-nos em comunhão com Ele e, através Dele, nesse mesmo Espírito, em comunhão com o Pai.

Como o amor é fonte de intimidade e de conhecimento, todo discípulo que realmente se deixa inundar e conduzir pelo Espírito do Amor de Cristo, não somente guarda os Seus mandamentos como também, mais e mais, vai conhecendo o Senhor, com