Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Palavras difíceis, mas profundamente verdadeiras

June 11, 2019

 

Eu vos digo a verdade: “É bom para vós que Eu parta; se Eu não for, não virá até vós o Paráclito; mas, se Eu Me for, Eu vo-lo mandarei. E quando vier, Ele demonstrará ao mundo em que consistem o pecado, a justiça e o julgamento: o pecado, porque não acreditaram em Mim; a justiça, porque vou para o Pai, de modo que não mais Me vereis; e o julgamento, porque o Chefe deste mundo já está condenado” (Jo 16,7-11).

 

Que significam estas palavras de Jesus Nosso Senhor? São daquelas que escutamos, não compreendemos direito e, geralmente, deixamos para lá. No entanto, as palavras do Senhor são sempre densas de sentido e devemos procurar compreendê-las.

 

Uma primeira afirmação: “Eu vos digo a verdade: ‘É bom para vós que Eu parta; se Eu não for, não virá até vós o Paráclito; mas, se Eu Me for, Eu vo-Lo mandarei’”. Por que é bom que Jesus Se vá? Por que é melhor que venha o Espírito Santo, o Paráclito, Defensor, Advogado?

 

Vejamos. Jesus é o Filho eterno do Pai feito homem. Ele é um Eu divino (Aquele da segunda Pessoa da Trindade) numa natureza humana, isto é com corpo e alma verdadeiramente humanos.

Imagine o Nosso Senhor no nosso meio: nós poderíamos vê-Lo, tocá-Lo, ouvi-Lo... Mas, Jesus Cristo é Jesus e nós somos nós... Cristo jamais poderia estar em nós e nós Nele! Jesus não é nem pode ser Deus-em-nós; Ele é Deus-conosco, em meio a nós, não Deus dentro de nós!

O Senhor nosso morreu; Seus discípulos continuaram vivos; o Senhor ressuscitou; Seus discípulos continuaram nesta vida mortal. Quando o Salvador estava aqui, conosco, nossa união com Ele poderia ser somente de sentimentos: admiração, obediência, amor... Mas, nunca Ele estaria realmente em nós e nós Nele, nunca Sua Vida divina poderia ser nossa, mesmo porque Sua natureza humana igual à nossa era simplesmente humana...

 

Na Cruz o Cristo Jesus esvaziou-Se totalmente de Si; Sua vida humana acabou-se para sempre: o cérebro morreu, o coração parou, Sua vida psicofísica esvaiu-se... Agora, na morte, totalmente pobre – o Pobre por excelência -, entregue nas mãos do Pai, Este, o Deus fidelíssimo, ressuscitou dos mortos o Seu Filho feito homem, derramando sobre Ele o Espírito Santo em plenitude, de um modo totalmente novo. 

 

Como assim? O Senhor Jesus agora não tem mais, no Seu corpo e na Sua alma humanos, uma vida como antes. Ele agora vive no Espírito Santo: a Vida que vivifica Seu corpo e Sua alma não é mais o que os gregos chamam de bios (vida biológica) ou psiché (vida racional simplesmente humana), mas zoé (Vida plena, divina, Vida que só Deus pode conceder como participação na Sua própria Vida; uma Vida que não é deste mundo).

O corpo humano de Nosso Senhor Jesus e Sua alma humana não mais têm uma vida como a nossa! A humanidade santíssima do Cristo agora é plena de Espírito Santo, Espírito que o vivifica totalmente. O Senhor, como homem, agora vive do Espírito, vive no Espírito Santo!

Compreenda: é a humanidade de Jesus Cristo (igual à nossa) que foi totalmente divinizada, plenificada de Vida divina pela Ressurreição, a ponto de São Paulo exclamar, referindo-se ao Senhor ressuscitado: “O Senhor é Espírito” (2Cor 3,17). Isto mesmo: o Senhor Jesus agora é pleno do Santo Espírito, Espírito que é a plenitude da própria Divindade. Por isso em Cl 2,9, São Paulo afirma ousadamente que “Nele habita corporalmente a plenitude da Divindade”, isto é, na humanidade do Ressuscitado habita a plenitude do Espírito Santo.

 

Mas, vamos ao nosso ponto: agora pleno de Vida divina na Sua humanidade igual à nossa, o Senhor Jesus pode nos comunicar o Seu Espírito Santo, Espírito que Ele recebeu do Pai na Sua humanidade pela Ressurreição! Como no-Lo comunica? Pelos sacramentos, sobretudo no Batismo, na Crisma e na Eucaristia!

 

Agora, a Vida de Jesus nosso Senhor está em nós e nós, porque temos o Seu Espírito, somos uma só coisa com Ele! Estamos enxertados Nele como os ramos na videira; estamos incorporados Nele como os membros no único corpo! E a seiva que une o tronco aos ramos, e a vida que une a Cabeça aos membros do corpo é o Espírito Santo! Se Ele não Se fosse, se não tivesse Se esvaziado na Cruz para que o Pai O preenchesse com o Espírito na Ressurreição, Ele não teria como nos dá Sua vida, isto é, Seu Espírito!

Agora sim, nós temos em nós a Vida divina, nós fomos santificados, nós poderemos ressuscitar no corpo e na alma (o corpo, no Último Dia e a alma, transfigurada, na hora da morte: de alma psíquica à alma transfigurada em Glória pelo Espírito). Assim, a nossa salvação, a nossa ressurreição, é consequência do Espírito do Ressuscitado habitar em nós; Espírito que Ele nos dá nos sacramentos da Igreja, por Ele instituídos. Basta recordar o Seu diálogo com Nicodemos e o discurso sobre o Pão da vida.... Pense nisto... Mais adiante, logo abaixo, explico a segunda parte da afirmação de Jesus...

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags