Please reload

Posts Recentes

Is 53,10-11

Sl 32

Hb 4,14-16

Mc 10,35-45

Comecemos observando o Evangelho.

Notemos como os dois irmãos, Tiago e João, se dirigem a Jesus: “Queremos que faç...

Homilia para o XXIX Domingo Comum - Ano B

October 23, 2018

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Meditação XXXIV: Eis o Meu Servo!

April 6, 2020

 

Reze o Salmo 119/118,89-96

Vamos, agora, ler, meditar e contemplar Is 42,1-9. Leia este texto sagrado com os olhos fixos em Jesus nosso Senhor e o coração unido ao Dele!

 

1. Este é o primeiro dos quatro cânticos do Servo Sofredor, o misterioso personagem apresentado na segunda parte da profecia de Isaías... Quem é ele? Do que se trata nestes misteriosos poemas?

Às vezes, parece que é o Servo é todo o Povo de Israel: “Tu és o Meu Servo, Israel, em quem Me gloriarei” (Is 49,3);outras vezes, aparece claro que é Alguém que, em nome de todo o Israel, personificando e representando todo o Povo eleito, sofrerá, tomando sobre Si os pecados do Povo santo e até mesmo de toda a humanidade: “Eu Te constituí como Aliança do Povo, como luz das nações” (Is 42,6b).

Então, o Servo é Israel, mas o Israel que é assumido e levado à perfeição por Alguém que representa todo o Povo sacerdotal do Antigo Testamento e que tomará sobre Si a sorte de Israel e realizará a expiação pelo pecado do Povo da Aliança e de toda a humanidade. Nele, no Servo, Israel alcançará o máximo do seu ser “um Reino de sacerdotes, uma Nação santa” (Ex 19,6). Em última palavra, esse Servo é Jesus nosso Senhor, personificação máxima e perfeita do Israel da Antiga Aliança! Várias vezes o Novo Testamento interpretou assim. Basta, como exemplo, ler Mt 12,15-21... Lendo e meditando esses cânticos impressionantes vemos de que modo o Pai determinou que o Senhor Jesus cumprisse a Sua missão e, verdadeiramente admirados, constatamos o quanto o Filho foi realmente o Servo, obediente ao desígnio misterioso do Pai... Não foi por acaso que o nosso Salvador bendito resumiu toda a Sua missão como um serviço. Atenção, que não se trata de modo algum de um serviço qualquer, mas do serviço do Servo: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar Sua vida como resgaste por muitos” (Mt 20,28). Este é o admirável resumo dos quatro poemas do Servo Sofredor e de toda a existência humana do nosso Salvador Jesus Cristo!

Contemplemos, pois, e aprendamos com Jesus, o Servo, nosso Salvador bendito e santo!

 

2. Neste primeiro cântico, é o Pai, o Deus de Israel, Quem fala, apresentando-nos o Seu Servo. Leia com atenção o v. 1. O Servo é o Escolhido de Deus, o Amado, o Preferido, o Eleito. Ele é o Ungido com o Espírito: “Pus sobre Ele o Meu Espírito!” (v. 1). Lembre que “ungido”, em hebraico, se diz “messias”!

Pense: Este início deste Primeiro Cântico do Servo recorda-lhe algum texto dos evangelhos? Agora leia Mt 3,16s. Veja o paralelismo impressionante:

=> “Eis o Meu Servo que Eu sustento // Este é o Meu Filho amado, em Quem Me comprazo!”

=> “Pus sobre Ele o Meu Espírito” // ... e ele viu o Espírito de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre Ele”...

A mensagem é clara: o Pai revela que Jesus é o Filho amado, mas esse Filho, no Qual Ele derramou toda a Sua complacência, isto é o Seu Amor (cf. Mt 3,17), agora, uma vez ungido, cheio do Santo Espírito para a missão pública, deverá cumprir essa missão como Servo sofredor! Ele é o Filho-Servo! Aqui, temos uma surpresa total! Jamais Israel imaginara que o Messias fosse Filho de Deus no sentido estrito e forte (cf. Jo 10,31-33); e muito menos ainda pensara que o Messias fosse o Servo Sofredor! Israel sempre imaginara num Messias misterioso e glorioso (cf. Jo 7,27). Eis o caminho do Senhor Jesus, que vai levá-Lo à Paixão, à Cruz, à Morte! Isto custou tanto ao Senhor! Mas, por nós, Ele obedeceu ao Pai, por nós rejeitou um caminho de facilidades e de glória mundana, por nós, venceu a tentação diabólica de seguir uma lógica segundo o mundo (cf. Mt 4,1-11)! Como os caminhos do Senhor Deus são misteriosos! Reze o Salmo 139/138...

 

3. Leia os vv. 2-3. O Servo deverá cumprir Sua missão em mansidão, em humildade, procurando salvar o que está perdido, sem quebrar a cana já rachada ou apagar a mecha que ainda fumega... Isto significa que o Senhor Jesus Cristo escolheu o caminho da mansidão: não impôs, mas propôs, não demonstrou poder para amedrontar, mas potência de amor para salvar, não se impôs pelo temor, mas desejou conquistar pelo amor! Mesmo quando advertiu severamente e ameaçou, fê-lo sem impor, fê-lo como um grito de amor apaixonado, que deseja salvar quem está perdido! Agora, leia Mt 11,28-30. Peça um coração como o Coração de Jesus! “Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo Jesus!” (Fl 2,5) – Que programa de vida cristã! Que bênção tão grande seguir este conselho, esta exortação! Leia e reze 1Pd 2,21-25.

Pense um pouco: É cristão anunciar o Evangelho, mas não é cristão querer impor a própria fé! É cristão advertir sobre a gravidade do pecado, mas não é cristão julgar as pessoas e condená-la. É cristão falar da possibilidade do inferno, mas não é cristão dizer que as pessoas estão lá. É cristão proclamar que Cristo é a Verdade e somente Nele há salvação, mas não é cristão desrespeitar a consciência e a religião dos demais. Examine-se nestes pontos, pensando no Cristo manso e humilde!

 

4. Leia os vv. 1b.2-4.6s. O Servo vem para salvar, para libertar Israel e a humanidade de todas as suas misérias! A libertação que Ele trará não é simplesmente de cunho político, social, material... É muito mais radical e profunda: Ele vem libertar o homem de seu próprio fechamento em si mesmo, da sua situação de alienação em relação a Deus, da sua autossuficiência, que faz perder a Deus e faz da própria vida e da vida dos demais um inferno! Quando o homem acolhe o Servo como Messias Salvador e se deixa reconciliar com o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, tudo muda na sua vida pessoal e social! Como “todos pecaram e estão privados da Glória de Deus” (Rm 3,23), o Servo veio para todos, para salvar a todos, israelitas e gentios. Ora, uma missão assim, não é fácil, porque não se trata de impor, mas de propor, não se trata simplesmente de manipular, mas de convencer, não se trata de conquistar massas, mas de encontrar e convencer pessoas, conquistando corações, estabelecendo o direito de Deus, na terra. Onde encontrar força para não desanimar? Somente no Senhor, na certeza da Sua fidelidade! Ele, o Deus que tudo criou, que tudo sustenta, Ele que concede o sopro de vida a toda criatura, sustentará fielmente o Seu Servo. Leia os vv. 5-7. Leia agora Lc 2,29-32; 4,16-21.

 

5. Um outro aspecto importante: a missão do Servo é para a manifestação da glória do Senhor Deus, para a realização do Seu plano de salvar a todos, a todas as nações, a toda a humanidade e a toda a criação! Em Cristo Jesus aparece, de modo surpreendente, a glória de Deus: uma glória feita de amor que salva, de cuidado que procura o ser humano e toda a criação. Leia os vv. 5.8. Nunca esqueça: Cristo veio ao mundo, Cristo viveu entre nós, Cristo sofreu e padeceu até a morte por nossa salvação, pela salvação sua, minha e do mundo inteiro! Tudo isto, dentro de um misterioso desígnio do Senhor Deus. Leia o v. 9. O que significam estas palavras? Indicam que o plano de Deus é constante, firme, coerente e dinâmico: vai de etapa em etapa, do mais escondido para o mais claro, das imagens para a realidade, das profecias para a realização, mas sempre dentro de uma lógica sábia, bendita, coerente, santa, fiel: o Senhor promete, anuncia e cumpre! E tudo com um só propósito: a salvação de Israel, da humanidade, da criação para a glória de Deus, do Pai, através do Filho-Servo, no Espírito! Leia 1Cor 10,1-4.11; Gl 3,23-26.

 

6. Como responder a um amor tão grande, a um desígnio tão impressionante? Como Israel respondeu: com o cântico de admiração e júbilo de Is 42,10-17! Louve o Senhor! Ele é bom! Ele é grande! Ele é Santo!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags